Conecte-se conosco

Agropecuária

Secretaria da agricultura do estado deve construir 6 mil microaçudes

Serão priorizados os municípios atingidos pela estiagem na safra 2021/2022

Publicado em

em

Foto: Reprodução

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) publicou em seu site um manual operativo com regramento para os convênios que serão firmados entre a pasta e os municípios para execução de 6 mil microaçudes, previstos no Avançar na Agropecuária e no Desenvolvimento Rural.

Entre outros, o manual esclarece quais são os documentos necessários, apresenta os termos do convênio, informa qual o público-alvo, os critérios de distribuição dos microaçudes e ações do programa.

No site da Seapdr, os gestores municipais podem conferir o manual e a lista de documentos que devem ser providenciados pelos municípios. A previsão é que, na segunda quinzena de março, os convênios sejam assinados, garantindo o repasse do valor correspondente à escavação de, em média, 12 microaçudes por município.

Os beneficiários serão agricultores e pecuaristas familiares, assentados da reforma agrária, comunidades indígenas e integrantes de comunidades remanescentes de quilombos. Serão priorizados os municípios atingidos pela estiagem na safra 2021/2022, com decreto de situação de emergência homologado pelo Estado, ainda que expirado o prazo do respectivo ato de homologação.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Agropecuária

MASSA DE AR POLAR DERRUBA AS TEMPERATURAS NESTA SEMANA NO RIO GRANDE DO SUL

Publicado em

em

Uma massa de ar frio de origem polar derruba as temperaturas nesta semana no Rio Grande do Sul. Nos próximos dias, alguns municípios gaúchos devem registrar as mínimas mais baixas do ano.

Segundo a Metsul Meteorologia, esta segunda-feira (30) começou gelada principalmente no Oeste e no Sul do Estado, com geada em alguns pontos. A massa de ar seco e frio afasta a instabilidade e, nesta terça-feira (31), o sol predomina no RS com amplos períodos de céu claro na maioria das regiões e temperaturas negativas em algumas cidades. Em Porto Alegre, os termômetros devem marcar entre 5ºC e 14ºC.

Na quarta-feira (1º), de acordo com a Metsul, muitas nuvens voltam a ingressar no Estado e pode chover principalmente nas regiões Norte e Nordeste. O frio atinge especialmente o Sul gaúcho e deve gear nas primeiras horas da madrugada em vários pontos do Estado. Na Capital, a temperatura mínima será de 6ºC, e a máxima não deve ultrapassar 14ºC.

Na quinta-feira (02), seguirá frio ao amanhecer, mas nuvens impedirão temperaturas mínimas tão baixas como nos dias anteriores. Na fronteira com o Uruguai, na Campanha e no Sul, o frio, contudo, ainda será intenso ao amanhecer, com marcas perto de 1ºC ou 2ºC. Porto Alegre pode ter máxima de apenas 13ºC, segundo a Metsul.

A Capital registrará uma sequência de dias chuvosos a partir de quinta. O tempo só voltará a ficar firme na próxima semana.

Na sexta-feira (03), o sol aparecerá com nuvens na maior parte do Rio Grande do Sul. Em Porto Alegre, a temperatura máxima chegará a 16ºC.

Fonte : Jornal Boa Vista

Continue lendo

Agropecuária

PESTE SINA, UMA PREOCUPAÇÃO

Publicado em

em

Com a confirmação de casos da peste suína africana (PSA) no ano passado na República Dominicana e no Haiti, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) implementou no Brasil medidas rigorosas de controle nas fronteiras, incluindo a fiscalização em aeroportos internacionais.

Outra ação foi a publicação de material didático preventivo com cartazes, mensagens de voz, infográficos, livro, mensagens de texto e postagens para redes sociais sobre a doença.

A peste suína africana é contagiosa e devastou rebanhos na China, em outros países asiáticos e na União Europeia. Sem cura ou tratamento, nessa onda ela não chegou ao Brasil, mas preocupa porque, quando diagnosticada, exige o sacrifício de todos os animais contaminados.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Agropecuária

Rio Grande do Sul deve colher menos 14 milhões de toneladas na safra do soja

Estimativa final foi apresentada pela Emater durante a 22ª Expodireto

Publicado em

em

Foto: Divulgação

O Rio Grande do Sul vai colher menos 13,1 milhões de toneladas de grãos na Safra de Verão 2021/2022, o equivalente a uma perda de 41,1% em relação à produção projetada inicialmente pela Emater-RS Ascar, de 33,6 milhões de toneladas. O estrago proporcionado pela estiagem no Estado foi dimensionado nesta terça-feira na estimativa final apresentada pela Emater, durante a 22ª Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque. A cultura com maior volume proporcionalmente atingido foi a da soja, que deve perder 52,1% em relação à projeção inicial, de 19,94 milhões de toneladas, e 53,3% a menos que a safra 2020/2021, de 20,4 milhões de toneladas, fechando, nos dois casos, em 9,4 milhões de toneladas.
O diretor técnico da Emater, Alencar Rugeri, aponta que neste levantamento, em que a coleta de dados foi encerrada em 28 de fevereiro, foi identificado que em 126 municípios do Estado a produtividade das lavouras de soja vai ser de 20 sacos ou menos por hectare, em especial na região Norte. “Com a desigualdade das chuvas, há localidades onde o agricultor vai colher zero de tudo que plantou”, reconhece. Rugeri afirma que a média nas zonas de maior produção ficou em 1.511 quilos por hectare, mas admite que há oásis em meio ao quadro catastrófico da safra. As região de Porto Alegre, Caxias do Sul, Erechim e Pelotas, segundo o diretor, atingiram produtividades acima dos 2.300 quilos por hectare, índice considerado razoável.

O milho grão, que tinha expectativa inicial de colheita de 6,11 milhões de toneladas, tem perda consolidada na produção de 55,1%, ficando em 2,7 milhões de toneladas. No milho silagem, fundamental para a produção leiteira, suinocultura e avicultura, o prejuízo chegou a 57,8 %, de 13,2 milhões de toneladas projetados para 5,5 milhões de toneladas consolidados. Rugeri comenta que no caso do milho silagem a situação é muito preocupante, uma vez que o produtor de leite, além de perder o cereal que plantou como alimento, ainda vai ter de investir o que não tem para comprar comida para o rebanho.
Arroz e feijão também tiveram redução em face a perspectiva do início da safra, mas em índices menores. No arroz, a queda foi de 4,5%, de 7,5 milhões de toneladas para 7,2 milhões de toneladas. No feijão primeira safra, de 36%, caindo de 61,9 mil toneladas para 39,6 mil de toneladas.

Acompanharam a apresentação dos dados, deputados, prefeitos, o presidente da Emater, Edmilson Pedro Pelizari; o presidente da Cotrijal, Nei Manica; e a secretária de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Silvana Covatti. Chamando a atenção para o olhar que o Estado tem dado à estiagem, com visita aos produtores atingidos e o encaminhamento das demandas para perfuração de poços e construção de açudes, Silvana repetiu o chamamento de Manica, na abertura da Expodireto, e salientou que Brasília “precisa dar respostas ao Rio Grande do Sul”.

Continue lendo