Conecte-se conosco

Geral

BRASILEIRO JÁ PODE RECEBER ALERTAS DE DESASTRES NATURAIS POR WHATSAPP

Publicado em

em

Alertas de desastres naturais para brasileiros já podem ser enviados por WhatsApp desde o sábado, 12 de novembro. Para ter acesso ao serviço, é necessário se cadastrar.

As mensagens são disparadas pelas equipes de Defesa Civil dos estados e municípios, por meio da plataforma Interface de Divulgação de Alertas Públicos (Idap), gerida pela Defesa Civil Nacional. Todos os estados estão cadastrados, mas apenas 148 dos 5,5 mil municípios integram a plataforma.

Atualmente, alertas já são enviados por SMS pela plataforma Telegram, TV por assinatura ou pelo Google. Segundo a Defesa Civil nacional, o objetivo do envio de mensagens é “desenvolver a percepção de risco pela população e, consequentemente, prevenir ocorrências graves”. O MDR informou que o serviço de envio de notificações será gratuito.

Os interessados em receber o alerta devem se cadastrar pelo telefone (61) 2034-4611, por este link. Em seguida, é preciso interagir com um robô de atendimento – basta enviar um “Oi”. Após a primeira interação, a pessoa tem que informar sua localização atual ou escolher outra de interesse. O robô confirmará o desejo de receber os alertas e disponibilizará os termos de uso e política de privacidade, que regulamentam o projeto, para o aceite do usuário.

Podem ser cadastradas várias localizações diferentes, o que torna possível acompanhar os diferentes lugares que a pessoa frequenta ou quando faz uma viagem. O usuário pode compartilhar a localização (toque em Anexar > Localização); digitar o código de endereçamento postal (CEP) e clicar em enviar ou, simplesmente, digitar o nome do município e enviar. As áreas de interesse podem ser editadas a qualquer momento.

Fonte: Correio do Povo

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

CUCA É O NOVO TRINADOR DO ATHLETICO-PR

Publicado em

em

Por

Cuca é o novo treinador do Athletico-PR para a temporada de 2024. O clube publicou nesta segunda-feira (4) o anuncio oficial. O treinador estava sem clube desde abril de 2024, quando decidiu deixar o Corinthians após classificação às oitavas de final da Copa do Brasil. A contratação havia gerado polêmica entre torcedores.

O novo técnico chega para substituir o cargo deixado por Juan Cargo Osório, que foi demitido neste domingo (3), após dois meses no cargo. O colombiano fez 12 partidas pelo Furacão, teve sete vitórias, quatro empates e apenas uma derrota. A comissão técnica de Cuca também estará na nova equipe.

“Cuca é o nosso novo técnico para a sequência da temporada 2024. O treinador inicia os trabalhos no CAT Caju nesta terça-feira (4), data de reapresentação do elenco rubro-negro. Os auxiliares técnicos Cuquinha e Daniel Cerqueira também vão compor a nova comissão técnica athleticana, ao lado dos profissionais que fazem parte do staff permanente”, informou o comunicado do Athletico-PR.

Cuca ficou apenas dois jogos na última passagem pelo Corinthians. A condenação por estupro, ocorrida na Suíça durante excursão do Grêmio à Europa em 1987, pesou entre parte da torcida e gerou até conflitos com o time feminino.

Cuca anunciou a decisão de deixar o Timão em entrevista coletiva após se classificar às oitavas de final da Copa do Brasil nos pênaltis contra o Remo. Ele disse que pesou o pedido da família, que vinha sofrendo, segundo o treinador, ameaças nas redes sociais.

“Chega um momento que você pesa o que vale e o que não vale. Nesse momento, quero fazer valer minha família, Não esperava essa avalanche, são coisas que aconteceram há muito tempo. Fui julgado e punido pela internet”, afirmou

À época, jogadoras do time feminino também se manifestaram e publicaram, em tom de protesto, que “respeita [sic] as minas”, frase bastante utilizada por movimentos femininos e até mesmo pelo Corinthians, “não é uma frase qualquer”.

Condenação de estupro anulada

O Tribunal Regional do distrito de Berna-Mittelland, na Suíça, decidiu anular a sentença que condenava Cuca por estupro de uma menor de idade, episódio ocorrido no país durante excursão do Grêmio à Europa em 1987.

A juíza Bettina Bochsler acatou argumentação da defesa do treinador de que Cuca foi condenado à época sem representação legal. Por isso, no entendimento de seus advogados, teria direito a um novo julgamento.

Segundo as autoridades suíças, porém, isso não seria possível pois o crime já estava prescrito. O Ministério Público, então, sugeriu a anulação da pena e o fim do processo. O desfecho do caso foi revelado pela Folha de S. Paulo e confirmado pela CNN Brasil.

Indenização de R$ 55 mil

O encerramento do processo não significa que Cuca tenha sido inocentado, mas sim que o caso foi concluído por ausência de representação legal. Por irregularidade no julgamento, a juíza Bettina Boschler determinou uma indenização do Estado suíço a Cuca no valor de 9.500 francos, o equivalente a R$ 55 mil.

O caso ganhou grande repercussão midiática no ano passado, quando o técnico foi contratado pelo Corinthians. Imediatamente após o anúncio, em abril, houve um forte movimento de protesto à contratação do treinador por parte de torcedores corintianos.

CNN BRASIL

Continue lendo

Geral

NEGO DO BOREL EMPURRA FILHO DE OTÁVIO MESQUITA AO VIVO NO SBT

Publicado em

em

Por

O clima esquentou durante o Passa ou Repassa do Domingo Legal, do SBT, neste domingo (3). O cantor Nego do Borel e o influenciador de calistenia e publicitário Luiz Otávio Mesquita, filho do apresentador Otávio Mesquita, entraram numa discussão em frente às câmeras que acabou em empurrão no palco.

Tudo começou quando o apresentador do programa, Celso Portiolli, trouxe à tona o recente episódio em que Nego do Borel e MC Gui se enfrentaram em uma luta de boxe. Participando do programa em times diferentes, Luiz usou o fato de MC Gui ter vencido a partida para provocar Nego do Borel.

O funqueiro não gostou e reagiu, partindo para cima do publicitário, que não se intimidou. Os dois se encararam por alguns segundos, até que Nego do Borel empurrou Luiz.

Logo em seguida, outros participantes e o próprio Portiolli separam a dupla, mas Luiz seguiu falando.

– Covarde. Só sabe empurrar – disse o influenciador.

Conduzindo Nego do Borel para o outro lado do palco, Portiolli emendou rindo:

– Você veio para brincar – disse o apresentador tentando conter o ânimos.

PLENO.NEWS

Continue lendo

Geral

EUA: SUPREMO DECIDE DE TRUMP PODERÁ CONCORRER ÀS ELEIÇÕES

Publicado em

em

Por

A Suprema Corte dos Estados Unidos votou que o nome do ex-presidente Donald Trump poderá voltar às urnas eleitorais do Colorado, decidindo que os estados não têm autoridade para rejeitar candidatos presidenciais sob o argumento de que eles se envolveram em rebelião ou insurreição contra os EUA. Dessa forma, o ex-chefe do Executivo poderá disputar as eleições presidenciais contra Joe Biden.

A decisão põe fim a uma série de contestações eleitorais que argumentavam que Trump seria inelegível em função de uma disposição constitucional que proíbe ex-funcionários públicos que se envolveram em insurreições ou rebeliões de ocuparem cargos públicos novamente. Trata-se da Seção 3 da 14ª Emenda da Constituição, que foi ratificada após a Guerra Civil.

O processo movido por um grupo de eleitores republicanos e independentes no Colorado alegava que Trump estava desqualificado por ter incitado a invasão ao Capitólio americano de 6 de janeiro de 2021 com o objetivo de impedir a certificação do Congresso da eleição do atual presidente Joe Biden em 2020. A mais alta Corte do Colorado concordou em uma decisão de dezembro, mas o argumento foi derrubado pela Suprema Corte nesta segunda-feira (4).

Além do Colorado, o secretário de estado do Maine proibiu Trump de concorrer às eleições, e um juiz estadual em Illinois também concluiu recentemente que Trump deveria ser desqualificado, anulando o conselho eleitoral estadual.

Uma série de desafios tem se espalhado por outros estados. Algumas autoridades e juízes se recusaram a considerar Trump, o principal candidato republicano, inelegível, dizendo que não cabia a eles tomar essa decisão.

Trump foi acusado, mas não chegou a ser indiciado pelo crime federal específico de insurreição, que acarreta pena máxima de dez anos e proibição automática de ocupando cargo federal.

*AE

PLENO.NEWS

Continue lendo