Conecte-se conosco

Esportes

JOVEM VENCE AÇÃO APÓS CONTRARIAR TRAS NOS ESPORTES FEMININOS

Publicado em

em

A ex-jogadora de futebol universitário e ativista do esporte feminino, Sophia Lorey, venceu uma ação judicial contra uma biblioteca que a expulsou do espaço, após ela discursar em oposição à entrada de transexuais na categoria das mulheres. A jovem comemorou ao dizer que trata-se de uma “vitória de todas que defendem a verdade biológica e a justiça nos esportes”.

– O direito de expressar nossas preocupações sobre a presença de homens em esportes femininos é fundamental – disse Lorey, que atualmente é diretora de divulgação do Conselho da Família da Califórnia, Estados Unidos.

A expulsão aconteceu em agosto de 2023, quando Lorey foi convidada para palestrar no evento Fórum sobre Esporte Justo e Seguro para Meninas, realizado na biblioteca do Condado de Yolo, Califórnia. Na ocasião, a jovem foi interrompida após dizer “homens em esportes femininos”. A instituição afirmou que o uso inadequado de gênero violava sua política interna.

– Apenas mencionar “homens competindo em esportes femininos” foi suficiente para que eu fosse censurada e expulsa. Isso não é apenas injusto, mas também inconstitucional – declarou.

O momento em que Lorey foi impedida de prosseguir com o discurso foi registrado em vídeo, que se encontra disponível.

Baseada nos direitos da Primeira Emenda da Constituição estadunidense – trecho que versa sobre a liberdade de expressão -, Lorey processou funcionários da biblioteca com apoio de outras ativistas, da Aliança Defendendo a Liberdade (Alliance Defending Freedom) e do Instituto pela Liberdade de Expressão (Institute for Free Speech).

Após a vitória judicial, a biblioteca prometeu, em acordo, mudar suas políticas e proibir intervenções no conteúdo das apresentações. Também abriu o espaço para que o fórum que foi interrompido ocorresse novamente no último dia 13 de abril.

PLENO.NEWS

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

REAL MADRID ANUNCIA DATA DE APRESENTAÇÃO DE MBAPPÉ E NÚMERO DA CAMISA

Publicado em

em

Por

O Real Madrid anunciou, nesta quarta-feira (10), a data da apresentação de Kylian Mbappé, que será no dia 16 de julho, às 7h (Brasília) no Santiago Bernabéu. Ele será apresentado e depois dará coletiva para os jornalistas da sala de imprensa do estádio.

O clube espanhol também informou que o francês irá usar o número 9. O último jogador a vestir a camisa 9 foi Karim Benzema, que deixou o Real Madrid em setembro do ano passado e foi jogar no Al Ittihad-ARA.

Camavinga, que usava a 12, vestirá o 6. Valverde troca o 15 pelo 8, e Tchouameni deixa o 18 e vai usar o 14, que era de Joselu, que vai jogar no Catar. Arda Güler, que jogou com o 24 na temporada passada, assume a camisa 15, e Vallejo recebeu a 18.

Todas as camisas com as novas numerações estarão disponíveis à venda em todos os canais de venda do Real Madrid a partir desta quinta-feira (11).

Mbappé assinou contrato com o atual campeão da Champions League por cinco temporadas e deixou o PSG sem custos, já que o contrato acabou em maio deste ano.

De acordo com o jornal catalão Mundo Deportivo, o atacante receberá 26 milhões de euros (R$ 148 mihões) brutos por ano. No Paris Saint-Germain, seus ganhos anuais eram de 72 milhões de euros (R$ 410 milhões).

Com esse valor, o francês terá o maior salário do elenco comandado por Carlo Ancelotti. O segundo maior, depois de Mbappé, é o do defensor austríaco David Alaba, que chegou em 2021 ao clube e recebe 22,5 milhões de euros (R$ 128 milhões).

O primeiro jogo oficial do Real Madrid na temporada será no dia 14 de agosto, na disputa da Supercopa da Europa, contra a Atalanta. A partida pode ser a estreia do atacante.

França fora da Eurocopa

Na última terça-feira (9), a Espanha venceu a França por 2 a 1 pela semifinal da Eurocopa e eliminou a equipe de Mbappé do torneio. Kolo Muani fez para os franceses, mas Lamine Yamal e Dani Olmo viraram para os finalistas.

CNN BRASIL

Continue lendo

Esportes

POR QUE O TAITI SEDIARÁ PARTE DOS JOGOS OLÍMPICOS DE PARIS?

Publicado em

em

Por

Os Jogos Olímpicos estarão repletos de imagens icônicas de marcos parisienses – a Torre Eiffel, Versalhes, a ponte Alexandre III e o Hôtel dos Invalidos. E estão todos prontos para desempenhar um papel de destaque durante os jogos. Mas um dos cenários mais deslumbrantes para a competição quadrienal não será Paris – ou França, aliás. Nem estará no mesmo hemisfério.

As mundialmente famosas ondas de Teahupo’o, no Taiti, serão um dos locais mais belos e únicos dos próximos jogos, começando quando a ilha sediar a competição de surf que começa em 27 de julho. as promessas dos organizadores de Paris, que prometeram espalhar as Olimpíadas por todo o território francês.

História

O Taiti tornou-se uma colônia francesa em 1880 e agora é classificado como um país ultramarino autônomo da República Francesa. Enquanto outras cidades em França acolhem competições de futebol, basquetebol e outras competições de alto nível, a escolha de realizar a competição de surf na maior ilha da Polinésia Francesa tornou o local singular e controversos. Mas é bem conhecido na comunidade do surf, já que as ondas da costa sudoeste do Taiti fazem parte das paradas do circuito de competição há muito tempo.

Teahupo’o

Localizada a cerca de 25 mil quilômetros e a 21 horas de vôo de Paris, Teahupo’o será uma das cidades-sede mais distantes de um evento olímpico da história. “Este é um lugar mágico e as ondas em Teahupo’o são de tirar o fôlego”, disse o presidente do Paris 2024, Tony Estanguet, após uma visita ao local do evento em 2022.

“Nossa visão sempre foi fornecer as condições mais espetaculares para os surfistas e o desporto. Não tenho dúvidas de que o Taiti cumprirá essa visão.” Teahupo’o foi selecionado em terceiro lugar na lista da CNN dos 50 melhores lugares para surfar no mundo em 2013, descrito como um passeio curto e intenso que cria ondas incríveis para o surf.

As torres

O nome significa “Muro de Cabeças” e pode ser perigoso. Como o local da competição dos Jogos está há muito tempo no circuito mundial de surf, há muito tempo há uma torre de observação feita de madeira que foi construída para competições na região da costa. É esta torre de julgamento – e a determinação de que não estaria em conformidade com as expectativas de segurança das competições olímpicas, nomeadamente a arbitragem e a cobertura de transmissão – que desencadeou uma controvérsia no Taiti e nos círculos do surf.

Em vez disso, os organizadores olímpicos construíram uma torre de alumínio no local que se tornou uma fonte de escrutínio durante a preparação para as Olimpíadas. Depois de anunciar inicialmente planos para construir uma torre de 14 toneladas e 150 metros quadrados com capacidade para 40 pessoas, água potável e ligações de águas residuais, a equipe Paris 2024 anunciou no ano passado que iria reduzir o projeto após a reação adversa.

“Como a atual torre dos juízes não atende aos padrões de segurança atuais, ela não será mais usada e deverá ser substituída se Teahupo’o quiser continuar a organizar eventos de surf, seja para os Jogos Olímpicos ou qualquer outra competição”, disseram os organizadores em um comunicado à imprensa de novembro. “A segunda questão é que a torre deve ser capaz de garantir boas condições para a arbitragem da competição, nomeadamente oferecendo aos juízes a visibilidade necessária sobre toda a onda.”

Os planos para a nova torre de alumínio foram criticados por potencialmente causar danos ao delicado recife de coral ao largo de Teahupo’o, numa altura em que o aquecimento global já está a prejudicar os recifes de coral em todo o mundo. O vídeo postado no ano passado pela Save Teahupo’o Reef mostrou uma barcaça – usada para construir a torre – presa no recife, bem como evidências de corais quebrados. A torre foi destruída por alguns críticos como um símbolo do colonialismo e acusaram os organizadores caso não cumpram as suas reivindicações de que a competição seria sustentável e respeitadora do ambiente.

Alexandra Dempsey, ecologista de recifes de coral e CEO da Khaled bin Sultan Living Oceans Foundation, disse que a formação de corais que torna o Taiti um lugar ideal para o surf profissional pode ser danificada pela torre. “As comunidades locais são incrivelmente apaixonadas e culturalmente ligadas ao oceano, e particularmente aos sistemas de recifes e aos sistemas de recifes que causaram a ação das ondas naquela área. E a onda perfeita… é… um efeito natural de como o recife é e tem sido formado naturalmente há milhões de anos”, disse ela à CNN.

“Você realmente não está apenas prejudicando a ecologia do recife, mas também a estrutura que existe lá, que foi capaz de criar as ondas maravilhosas para as quais aquele local foi escolhido. E não temos certeza de quais seriam os resultados ou consequências de danificar o sistema de recifes lá”, acrescentou ela.

Existem mais de 1.000 espécies de peixes e 150 espécies de corais na Polinésia Francesa, de acordo com o conselho de turismo do Taiti. Ameaçados pelos efeitos das alterações climáticas e do turismo de massa, os corais são uma espécie altamente protegida.

O comitê Paris 2024 disse em um comunicado à imprensa em novembro que outras opções foram consideradas – como reforçar as fundações da torre atual, certificar a torre existente e a fundação existente como seguras, construir uma nova torre de madeira e fazer com que os juízes julguem a competição. da costa ou do barco. Todas essas opções foram descartadas e foi tomada a decisão de construir uma versão simplificada da nova torre de alumínio.

“A protecção do ambiente natural em Teahupo’o sempre foi uma prioridade na concepção de todas as soluções previstas para o local”, afirma o comunicado de imprensa. “Todos os planos de desenvolvimento em Teahupo’o foram estudados para minimizar o impacto no meio ambiente. Este tem sido o objetivo de todos os estudos realizados com vista à organização dos Jogos e, em particular, da missão de apoio ambiental durante a fase de projeto e construção da nova torre.” “A nova torre, menos imponente e reduzida em tamanho e peso, instalada sobre novas fundações permanentes, é a solução que irá garantir a longevidade da torre e garantir que futuros eventos desportivos possam ser realizados em Teahupo’o”, acrescentaram os organizadores. “Esta torre e as novas fundações poderão receber certificação de 10 anos, essencial para fins de seguro.”

Proteção ambiental

A decisão foi questionada por parte dos ativistas e condenada pela Associação Internacional de Surf, o órgão regulador mundial do esporte. A nova torre de nove toneladas, 50 metros quadrados e três andares está agora nas águas de Teahupo’o e – como a Surfer Magazine informou em abril – está em uma área que não afeta diretamente grande parte dos corais, embora os efeitos a longo prazo ainda não foram vistos.

“A área onde a torre foi construída tem muito poucos corais. É uma plataforma plana com pequenas cabeças de corais espalhadas e algumas rochas maiores cobertas de coral”, escreveu Tim McKenna, um fotógrafo baseado no Taiti, em uma postagem no Instagram que mostrou fotos de como a nova torre ficou após sua construção.

“Ao longo dos anos, os corais até cobriram a estrutura anterior da base da torre de concreto.” Ele acrescentou: “A nova torre nunca foi apenas para os Jogos Olímpicos. É uma torre desmontável que será montada todos os anos durante o evento. “A estrutura de alumínio projetada e construída exclusivamente no Taiti pode finalmente ser certificada por questões de seguro e segurança. É um investimento que o governo do Taiti fez para os… próximos 20 anos de eventos de surf em Teahupo’o.”

CNN BRASIL

Continue lendo

Esportes

SAIBA POR ONDE ANDAM OS JOGADORES DO BRASIL QUE ATUARAM NO 7 A 1

Publicado em

em

Por

O dia 8 de julho de 2014 ficará marcado para sempre na história do futebol. A goleada da Alemanha sobre o Brasil por 7 a 1, na Copa do Mundo, completa dez anos nesta segunda-feira (08).

De lá pra cá, muita coisa aconteceu com os personagens daquela fatídica partida. Alguns seguem jogando, enquanto outros se aposentaram e seguiram novos caminhos.

Confira na lista abaixo por onde andam os jogadores brasileiros que estiveram em campo no Mineirão no vexame histórico.

Julio Cesar

O ex-goleiro defendia o Toronto FC no período da Copa do Mundo e parou de jogar em abril de 2018, após vitória do Flamengo sobre o América-MG no Maracanã, em duelo válido pelo Brasileiro.

Maicon

Durante o Mundial do Brasil, o ex-lateral defendia a Roma. Ele parou de jogar bola após jogo festivo em Criciúma, em maio de 2023.

David Luiz

Um mês antes da disputa da Copa, o defensor havia se tornado o zagueiro mais caro da história ao trocar o Chelsea pelo Paris Saint-Germain. Atualmente David Luiz defende o Flamengo.

Dante

O zagueiro de 40 anos segue na ativa, defendendo o Nice da França, e atuava no poderoso Bayern de Munique durante a Copa do Mundo.

Marcelo

O lateral-esquerdo era uma das estrelas do Real Madrid no período da Copa. Hoje, ele defende o Fluminense, onde retornou em 2023.

Luiz Gustavo

O volante de 36 anos defende o São Paulo atualmente, e estava no Wolfsburg, da Alemanha, quando foi convocado para a Copa.

Ramires

O ex-meia era uma das peças importantes do Chelsea quando foi convocado para a Copa. Ramires deixou o futebol em setembro de 2022 e defendeu a Seleção em dois Mundiais (2010 e 2014).

Fernandinho

O meia atuava no Manchester City em 2014 e se tornou ídolo do clube inglês após 9 anos. Fernandinho, de 39 anos, é uma das peças importantes do Athletico-PR.

Paulinho

O jogador era mais um meia da Seleção em 2014 que atuava no futebol inglês (defendendo o Tottenham). Paulinho está sem clube após deixar o Corinthians recentemente.

Bernard

O “Alegria nas pernas” voltou ao Atlético-MG nesta temporada, após passagem pelo futebol grego. Em 2014, Bernard defendia o Shakhtar Donetsk.

Oscar

O meia defende o chinês Shanghai Port atualmente, onde tme contrato até novembro deste ano. Oscar estava no Chelsea em 2014 e foi o autor do único gol brasileiro do 7 a 1.

Fred

O artilheiro se aposentou dos gramados com a camisa do Fluminense, onde atuava na época da Copa, em julho de 2022.

Hulk

O atacante estava no Zenit, da Rússia, no período da Copa no Brasil. Atualmente, Hulk defende o Atlético-MG, onde é ídolo.

Willian

O ex-Corinthians é mais um que atuava no Chelsea em 2014. O jogador de 35 anos segue na Premier League, onde defende o Fulham.

Luiz Felipe Scolari

O técnico da Seleção Brasileira em 2014 está sem clube após deixar o Atlético-MG em março deste ano.

CNN BRASIL

Continue lendo